Prestador De Serviço Pode Ser Autônomo

Prestador de serviço pode ser autônomo?

A procura pelo trabalho de profissionais autônomos vem crescendo muito nos últimos tempos. O melhor de tudo isso é que qualquer prestador de serviço pode ser autônomo, realizando eventualmente as ações necessárias. A escolha por esse tipo de profissional é a melhor quando não há nenhuma necessidade de manter um colaborador efetivo para determinado cargo.

Um autônomo possui independência financeira e econômica, além de sua própria agenda. Ou seja, apesar de não ter o mesmo horário de um funcionário efetivo e nem a recepção de um salário mensal, a sua remuneração e tempo de trabalho são previstos por contrato, garantindo a confiabilidade.

Agora que você já sabe que prestador de serviço pode ser autônomo, veja algumas vantagens e cuidados em relação a esse tipo de equipe.

Prestador de serviço pode ser autônomo: vantagens

Ao descobrir que um prestador de serviço pode ser autônomo, você descobre também uma forma de economizar. Afinal, ao contratar esse profissional, a realização de determinadas ações pode sair mais barata.

Quando se há contratação de quadro de funcionários efetivos, a empresa se torna responsável pelos diversos compromissos protegidos pela legislação trabalhista. Ademais, as funções estão restritas às habilidades da pessoa contratada.

Já com os autônomos, os compromissos perante a lei são menores, e também há opção de contratar uma pessoa que tenha bastante habilidade para resolver diferentes problemas. Além disso, muitas vezes, uma empresa pode precisar apenas de alguém para realizar trabalhos pontuais que não duram muito tempo, em algumas ocasiões até menos do que uma semana.

Esses pontos tornam a contratação de um efetivo desnecessária, e a de um autônomo muito mais vantajosa.

Prestador de serviço pode ser autônomo: principais cuidados

Ao optar por profissionais autônomos como prestadores de serviço para a sua empresa, o principal cuidado a ser tomado é com os elementos que podem configurar essa contratação como um vínculo empregatício dentro da sua empresa.

Por isso, preste atenção a coisas como a subordinação hierárquica, pessoalidade no momento de fechar o contrato e pagamento (que não deve ser uma remuneração mensal, mas sim um valor combinado anteriormente).

Quando você contrata uma pessoa física para o trabalho autônomo, mas oferece um salário mensal, com metas e horários a cumprir, com ordens que devem ser seguidas, da mesma forma que acontece com os outros colaboradores, ela pode ser vista como uma empregada.

A única obrigação do autônomo é cumprir o serviço contratado, no período combinado, e em resposta a isso receber um pagamento. Um bom exemplo de prestador de serviço autônomo são os representantes comerciais, que oferecem o seu trabalho para diferentes empresas, mesmo não possuindo vínculo de emprego com elas.

As empresas erram muito quando solicitam que o autônomo realize tarefas que não foram previstas anteriormente em seu contrato. Em muitos casos, isso já foi motivo suficiente para configurar o contrato como um relacionamento empregatício, dando fim ao que foi combinado.

Sabendo que o prestador de serviço pode ser autônomo, procure pelos profissionais que sejam bem vistos pelo mercado, referências são ótimas formas de evitar surpresas. Não se esqueça da importância do orçamento prévio e analise diferentes propostas!

Se ainda possuir dúvidas, pode entrar em contato com a Capital. Será sempre um prazer atendê-lo!

Sucesso e até logo!

Agora que você entende melhor sobre este assunto, entre em contato com um dos nossos especialistas!

Falar com um especialista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *